Lugar de Pensar

Se você é um ser que somente consegue ler 140 caracteres... fuja daqui rapidamente.
Liberdade é pouco. O que eu desejo ainda não tem nome. Clarice Linspector
“Não somos seres humanos vivendo uma experiência espiritual, somos seres espirituais vivendo uma experiência humana.” Teilhard de Chardin
A solidão não existe! Tenho um mundo inteiro dentro de mim.
Seja bem-vindo.

31.8.11

Samir Amin sobre a Primavera Árabe: ''Este é um movimento duradouro''

 
 
 
 
Samir Amin sobre a Primavera Árabe: ''Este é um movimento duradouro''


Pambazuka - [Tradução de Diário Liberdade] Hassane Zerrouky: Como você o que está acontecendo no mundo árabe seis meses após a queda de Ben Ali na Tunísia e de Hosni Mubarak no Egito?

Samir Amin: Nada será o mesmo que antes – isto é certo. Isto porque o levante não é apenas sobre a derrocada de ditadores reinantes, mas também é um movimento de protesto duradouro desafiando, ao mesmo tempo, várias dimensões da ordem social interna, especialmente evidenciando as desigualdades na distribuição de renda, e a ordem internacional, o lugar dos países árabes na ordem econômica global – em outras palavras buscando um fim para sua submissão ao neoliberalismo e aos ditados dos Estados Unidos e da OTAN na ordem global política. Este movimento, cuja ambição é também para democratizar a sociedade, demandando justiça social e uma nova nação e (eu diria) uma sociedade e política econômica anti-imperialista, irá portanto durar anos – o que com certeza terá altas e baixas, avanços e recuos – pois não será capaz de achar sua própria resolução em um período de semanas ou meses.

Hassane Zerrouky: Você está surpreso que os levantes terem sido protagonizados por novos participantes, particularmente os jovens?

Samir Amin: Não, isto é muito positivo. Novas gerações se politizaram novamente. No Egito, por exemplo, a juventude está muito politizada. A juventude tem seu próprio modo, fora dos partidos opositores tradicionais os quais, no Egito, são partidos pertencentes à tradição marxista. Mas este despertar político não é contra aqueles partidos. Eu posso lhe dizer que, justo agora, há uma profunda e espontânea simpatia entre as pessoas jovens e os partidos da esquerda marxista radical, o que significa dizer os partidos vindos das tradições socialistas e comunistas.

Hassane Zerrouky: Você diz que este é um movimento duradouro, mas, se nós tomarmos o Egito como exemplo, não há risco da revolução ser sabotada pelas forças conservadoras?

Samir Amin: Há certamente muitos riscos, incluindo, em médio prazo, o risco de que uma alternativa islâmica reacionária possa prevalecer. Isto, no entanto, é o plano dos EUA, desafortunadamente também apoiada pela Europa, ao menos no que concerne ao Egito. O plano é estabelecer uma aliança entre as forças reacionárias egípcias e a Irmandade Muçulmana; isto é também uma aliança apoiada pelos aliados de Washington na região, liderada pela Arábia Saudita – apoiada até mesmo por Israel. Então isto se sucederá? É possível que isso funcione em um médio prazo, mas não trará nenhuma solução para os problemas do povo egípcio. Então, o movimento de protesto, a luta, continuará e engrandecerá. Adicionalmente, deve se observar que a Irmandade Muçulmana está em crise.

Hassane Zerrouky: Esta questão é relacionada para o que você acabou de dizer: o que você pensa sobre o que está ocorrendo na Síria, primeiramente, onde o regime de Bashar al-Assad acabou de autorizar um sistema multipartidário, na esperança de restaurar a calma?


Samir Amin: A situação na Síria é extremamente complexa. O regime Ba'ath, que desfrutou de legitimidade por muito tempo, não é mais aquilo que foi: tornou-se mais e mais autocrático, aumentando o Estado policial, e, ao mesmo tempo, substancialmente fez uma concessão gigantesca ao liberalismo econômico. Não acredito que este regime possa se transformar em um regime democrático. Hoje está sendo forçado a fazer concessões, o que é algo positivo, dado que uma intervenção estrangeira como foi feita na Líbia – felizmente isto não é possível no caso da Síria – seria outra catástrofe. Por isso, comparado com o Egito e a Tunísia, o ponto fraco na Síria é que os movimentos de protesto são muito diversos. Muito – não quero generalizar – não tem nem mesmo um programa político para além de protestos, não fazendo ligação entre o regime político de ditadura e sua escolha por uma política econômica liberal.

Hassane Zerrouky: Você não teme uma implosão na Síria dado o risco de um conflito sectário entre os sunitas de um lado e os alauitas, drusos e cristãos por outro lado?


Samir Amin: Há este risco. Causar implosões nos Estados do Oriente Médio é um plano dos EUA e Israel. Mas não será tão fácil porque o sentimento nacional é um fator poderoso na Síria, o que existe em todos os movimentos que desafiam o regime hoje, apesar de estarem em desacordo com eles.

Hassane Zerrouky: E sobre o Iêmen, um regime aliado dos Estados Unidos?

Samir Amin: Os Estados Unidos apoiam o regime de Ali Abdullah Saleh. O motivo é que este teme o povo iemenita, especialmente o povo do sudeste do Iêmen. O Sudeste do Iêmen já teve um regime marxista progressista, desfrutando de legitimidade e poderoso apoio popular, forças das quais agora estão ativamente envolvidas no movimento social de protestos. Washington e seus aliados por outro lado temem uma partição do país rumo ao restabelecimento de um regime progressista no Sudeste do Iêmen. Este é o porque o regime iemenita, com a aprovação dos EUA, está permitindo a Al Qaeda – que é uma arma extensivamente manipulada pelos Estados Unidos – ocupar cidades no sul, desejando espalhar medo nos corações dos estratos sociais progressistas, para fazê-los aceitar manter Saleh no poder.

Hassane Zerrouky: No que diz respeito à situação na Líbia, onde está o risco de implosão?

Samir Amin: A situação é trágica, muito diferente daquela do Egito ou Tunísia. Nenhum lado na Líbia é melhor que o outro. O presidente do Conselho Nacional Transitório (CNT) – Mustafa Abdel-Jalil – é um democrata muito curioso: ele foi o juiz que sentenciou enfermeiras búlgaras à morte antes de ser promovido para o Ministério da Justiça por Kadafi. O CNT é um bloco de forças ultrarreacionárias. Como para os Estados Unidos, não se trata apenas do petróleo que obterão após – isto eles já possuem. Seu objetivo é colocar a Líbia sob sua tutela para estabelecer o Africom (Comando Militar dos Estados Unidos para a África) – o qual está hoje baseado em Stuttgart, na Alemanha, desde que os países africanos, não importa o que se pense sobre eles, rejeitaram seu estabelecimento na África – no país. Sobre o risco de separação da Líbia em dois ou três Estados nacionais, Washington deverá certamente optar pela fórmula Iraque, o que significa dizer, a manutenção de uma unidade formal sob a proteção militar ocidental.

Samir Amin é famoso economista marxista egípcio vinculado à Monthly Review.

* A entrevista original “Samir Amin «C’est un mouvement qui va durer des mois et des années»" foi publicada em L'Humanité em 1º de agosto de 2011.
Traduzido do francês para o inglês por Yoshie Furuhashi para Pambazuka
Traduzido do inglês para o português por Lucas Morais para Diário Liberdade

Nenhum comentário: