Lugar de Pensar

Se você é um ser que somente consegue ler 140 caracteres... fuja daqui rapidamente.
Liberdade é pouco. O que eu desejo ainda não tem nome. Clarice Linspector
“Não somos seres humanos vivendo uma experiência espiritual, somos seres espirituais vivendo uma experiência humana.” Teilhard de Chardin
A solidão não existe! Tenho um mundo inteiro dentro de mim.
Seja bem-vindo.

2.9.11

A Arte do fotógrafo Erik Johansson








Mind your step - Cuidado para não cair


Diana Ribeiro

A capital sueca foi palco da mais recente animação de rua. Erik Johansson, trouxe as ilusões de óptica dos seus trabalhos fotográficos para o passeio de Estocolmo. O artista criou um autêntico precipício, dando ideia de que quem não mede bem os seus passos pode cair no abismo.

Graffitis, pinturas e desenhos são as mais comuns manifestações artísticas no espaço público. Mas desta vez foi usada a fotografia. Erik Johansson, profissional da área, criou em plena rua de Estocolmo um precipício. Ou melhor, a ilusão de haver um precipício.

Erik já está acostumado a este tipo de trabalho. O artista sueco é conhecido pelas suas manipulações de imagens, com o objectivo de tornar o irreal “o mais realista possível”. Com várias ideias na manga, refere ainda que o quotidiano, tudo o que vê e se passa à sua volta, são as suas grandes fontes de inspiração.

Nos últimos tempos, Erik tinha pensado desenvolver um projecto de grandes dimensões: “transportar” as ilusões de óptica, características das suas imagens, para uma animação de rua. Um buraco em algum edifício ou numa parede larga foram as primeiras opções. O problema é que em nenhum destes casos os visitantes podiam interagir com o projecto. E para ele isso era fundamental. O próprio passeio surgiu então como a solução ideal. Para além de ter uma superfície plana, era o local mais acessível a todos.

O precipício levou alguns dias a construir e passou por várias etapas. Erik começou por trabalhar a composição das diferentes imagens no seu computador. Depois de as tirar, passou-as e moldou-as através do programa que sempre usa, o Photoshop CS5. Para se certificar de que estavam boas, fez tests prints e deu dimensões a cada uma, para que se pudessem encaixar na perfeição no resultado final.

Já na montagem das fotografias, na rua, adicionou ainda mais alguma cor e brilho. Colocou à volta das imagens tijolo e uma superfície de borracha, de modo a que não se movessem e fizessem realmente parte do chão. Quanto à ideia de que estaríamos a pisar e mesmo a cair num precipício, Erik deixou instruções: “Decidi pôr algum texto, pequeno o suficiente para não ser aborrecido de ler, mas grande o suficiente para as pessoas perceberem qual o melhor ponto para ver a ilusão”. Passando somente por cima do passeio e vendo também da mesma zona, a ilusão não fica tão completa. Por isso, criou uma plataforma amarela, mais alta e a alguns metros do precipício. Quem lá está, tem a oportunidade de gritar “cuidado: se avançares mais um passo, vais cair!”.

Fonte: Obvious

Nenhum comentário: